Borboletas de Marizá

poema_mariza

O que é se faz possível
De todas as formas me disse
Em forma de borboleta: Amar

Além do concreto
Além do asfalto
Além do muro erguido

Além da fumaça
Além do mormaço
Além da linha de fogo, troca de tiros

Além do semáforo
Além da faixa de atropelamento
Pare. Atenção. Siga. Na contramão persista

Além do tráfego
Além do tráfico de
Órgão. Corpos. Seres vivos e não-vivos

Além do alçar vôo
De crianças de sete anos
Aeroporto de âncoras enferrujadas, kamikazes
[ de sonhos

Além dos sorrisos descoloridos
Além dos ternos monocromo-acinzentados
Além dos passos rápidos por falta de motivos

Além das janelas de repartições
Além de birôs de departamentos
Além de varas de jurisdições

Além de protocolos
Além das fixas de cadastros
Preenchimentos de segundas vias

Além de pulos de prédios com quinze andares
Além de jogar-se no trilho do trem
Além do compulsivo esbelto, anfetaminas.

Além, muito além de qualquer
Cerca eletrificada, documento de propriedade
Numero de identidade, registro civil

Além de nós mesmos, dentro de si mesmo
Além do olho-bisturi e ouvidos-ratoeira
Além da boca castradora

Encontrei céu aquarelado
Encontrei azul, nublado
Alaranjado, multicolor

Encontrei flores amarelas
Encontrei vermelho, rosa
Encontrei Mandacaru, Uricuri, Juá

Encontrei o pote
Onde fadas guardam perfumes
Polens reluzentes primaveris

Encontrei o pote dos duendes
E não havia as minhas sandálias
Achei seixos com pinturas de mandalas

Encontrei o pote onde arco-íris
Deságua, borboletas e grilos
Tocam a música que flori o sertão

Encontrei casa de oito lados
Cajueiros aos quais eu era neto
Encontrei ganso ou pato ou marreco ou Geraldo

Encontrei o caminho das pedras
Que rodopiavam até o Ganges
Lugar sagrado onde me encontrei

Encontrei a fogueira da minha inteireza
Onde o cacique alisa meus cabelos
Aquece minha face, afaga meus sonhos

Encontrei cura, sanação pelas mãos
Através das mãos, meditação
Sob estrelas e lua plena

Encontrei pedras altas
Onde o vale encantado se mostrava
Como grande sorriso de amor

Encontrei a bruxa branca
Semeadora do transformar
Encontrei-me novamente, ah… Marizá.

(Philippe Wollney)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: