Memória 8ª Aula – 29/04/09

junho 30, 2009

Resolução de Conflitos Através da Comunicação Não Violenta (CNV)

Professor Convidado: Marcelo Pelizolli (Professor de Filosofia – UFPE)

A aula aconteceu num ambiente externo à sala de aula, o professor iniciou abordando a origem e definição da palavra conversa. Neste instante ele sugere outras definições que foram citadas pela turma, e prosseguiu dizendo que, o que estávamos fazendo naquele momento exatamente era isso, estávamos ensaiando um diálogo, que seria o fator principal na resolução de conflitos. Durante a aula foram propostas algumas perguntas à turma, para complementar o diálogo e as repostas dadas pelos alunos deram seqüência ao tema.

1-      O que vocês entendem sobre o tema conflito?

O conflito não é necessariamente uma briga, surge da diversidade, da diferença, e é importante que ele exista desde que seja bem conduzido. É importante se pensar em dois elementos que permeiam um conflito a fala e a emoção, o que foi falado e a forma ao expressar aquele ponto de vista.

2-      Qual a parte mais difícil de conviver com os conflitos e como lidar com essas diferenças?

Um passo importante pra se conviver com as diferenças é estar disposto ao diálogo, disposto a entender e respeitar o outro, a forma de pensar do outro, sua opinião e pontos de vista.

3-      Em geral as pessoas têm pontos de vista comuns ou incomuns? Ou ainda é possível conviver com pessoas com pontos de vista totalmente diferente dos nossos?

O mais comum na nossa sociedade é as pessoas se unirem, se agruparem ou estabelecerem relações, as mais diversas, por terem mais pontos de vistas comuns que incomuns, porem isso não impede o contrário.

“No entanto conviver exige uma construção e reconstrução do indivíduo, mesmo que isso aconteça contra suas verdades. Para isto é necessário um sentimento nesta relação.”

4-      Se não houver pontos em comum ainda assim é possível se relacionar?

As repostas divergiram entre sim e não, mas chegou-se a conclusão de que é preciso a utilização de algumas virtudes, como a tolerância, o respeito e o entendimento.

Surge também a empatia, que significa na origem da palavra sentir profundamente, apaixonar-se.

5-      Quando um conflito pode ser produtivo?

Foi proposto um exercício de rememoração de um conflito para que pudéssemos analisar a forma e o que foi falado além das emoções que aquele conflito gerou em cada um. Muitos alunos relataram sentimentos como: raiva, decepção, tristeza, rejeição, mágoa, ressentimento, desânimo, crítica negativa, ironia, ofensa, indiferença entre outros.

Quando se tem amor ou ódio por alguém então você permanece ligado a esta pessoa. Se ama está preso por um sentimento nobre, se tem raiva está preso por um sentimento destrutivo. Quando você de fato perde o vínculo com uma pessoa não sente nem amor nem raiva. O motivo pelo qual sentimos raiva de alguém está ligado ao medo, ameaça ou agressão.

6-      Como resolver um conflito através da comunicação não violenta (CNV)?

Os pilares do diálogo estão no modo de ouvir, de negociar e de conduzir o diálogo. Em primeiro lugar é preciso ouvir o outro com total atenção, com a mente desarmada e estando de fato interessado pelo que o outro fala.

Segundo lugar, é importante perguntar e demonstrar um real interesse em escutar a resposta, explorar o lado positivo da fala sem usar refutações e aclarar os fatos por meio de perguntas.

Anúncios

TV Veículo de cultura?

junho 29, 2009

TV veiculo de cultura

Considerações: Christine Farias
Outro dia peguei um ônibus lotado (sim, porque os nossos sistemas de transportes são bastante eficientes!), estava em pé e com os braços carregando bolsa e livros. Comecei a perceber o quanto as pessoas estavam concentradas, assistindo a televisão que agora tem em alguns coletivos. Elas nem sequer piscavam os olhos! Comecei a assistir também, devia ser algo realmente interessante… Nada útil! Clipe de algum grupo musical, nenhuma informação importante! Mas os passageiros estavam hipnotizados, e nem repararam que, assim como eu, outras pessoas estavam em pé no maior sufoco para segurar seus objetos!
Esse momento me fez refletir várias coisas: como o ser humano é cego! Cego por não conseguir enxergar a necessidade do outro e com um simples gesto de educação ajudar o próximo (neste caso o de carregar algum objeto, já que para quem está sentado seria menos incômodo).

Foi fácil perceber o quanto o nosso sistema consegue manipular as pessoas, de fazer com que estas pensem e ajam da forma que eles (o sistema) determinam. E aí o Aldous Huxley estava super atualizado quando em 1932 escreveu Admirável Mundo Novo (vide em livro).

As pessoas estão cegas e não percebem que as televisões nos ônibus constituem mais um instrumento capaz de induzir a humanidade à incapacidade de raciocinar. Mais uma maneira de desviar nossa atenção ao que realmente importa, aos problemas que nos cerca.
Ou para a população seria mais fácil se organizar e lutar pelos ideiais – mais um ponto que merece questionamento: hoje nós temos uma sociedade apática aos problemas. Existem ideais? – ou deixar se levar por meios que trazem prazer e descontração como programas de tv, futebol, carnaval e tantos outros que foram bem representados pelo SOMA na obra de Huxley ????

E você, o que pensa a respeito?


Evento Salve Maracaípe!

junho 29, 2009

evento_salve_maracaipe


LIVRO – Admirável Mundo Novo

junho 28, 2009

todo mundo de óculos

Considerações: Christine Farias

Escrito em 1932 por Aldous Huxley, esta obra, que também apresenta sua versão em filme, zomba de todas as utopias ao imaginar um mundo altamente socializado e submetido a uma feroz ditadura tecnológica. O autor usa de ironia e um cinismo sutil – onde se entrevê a descrença amarga na humanidade – e critica o industrialismo que induz à guerra e à hipertrofia estatal.

O livro aponta uma civilização de excessiva ordem onde todos os homens eram controlados desde a geração por um sistema que aliava controle genético (predestinação) a condicionamento mental, o que os tornava dominados pelo sistema em prol de uma aparente harmonia na sociedade. Não havia espaço para questionamentos ou dúvidas, nem para os conflitos, pois até os desejos e ansiedades eram controlados quimicamente pelo “Soma”, sempre no sentido de preservar a ordem dominante. A liberdade de escolha estava restrita a poucas matérias da vida. O sistema era dividido em castas: as superiores eram decantadas em betas, alfas e alfas mais e se originavam de óvulos biologicamente superiores, recebendo o melhor tratamento pré-natal possível. Já as castas inferiores, bem mais numerosas, recebiam um tratamento diferenciado, denominado Bokanovsky [ficou curioso para saber o que isso significa? Leia o livro!].

E o SOMA tão usado pelos personagens do livro, será que podemos relacionar ao que temos ao nosso alcance hoje em dia? Não somente pensando em químico, como nos são oferecidos uma gama de anti-depressivos, mas e os vícios de jogos? O futebol? A cachacinha com os amigos nas esquinas? E as mensagens subliminares que recebemos todos os dias pela mídia? Tudo isso não seria uma forma de controlar a mente humana?

É interessante perceber que mesmo sido publicado há quase 80 anos, parece ter sido escrito ontem! E nos remete à várias reflexões!
Como recentemente uma colega que apresentou este livro em sala de aula, na disciplina de política e Gestão Ambiental, levantou alguns questionamentos:

– Haveria um limite para o desenvolvimento humano? Se há qual seria ele? Quem vai impor esses limites?

– O que é cientificamente possível é eticamente viável?

– Para onde caminha a humanidade?

– Até que ponto o homem é senhor de si mesmo?

E você, o que pensa a respeito?


O Papel da Energia Solar nas Cidades

junho 27, 2009

PALESTRA GRATUITA !!!

Quando?  Dia 01/07, quarta-feira, das 19 às 21h

Onde?  SINAENCO / Instituto de Qualificação 

Endereço: Rua Pio IX, 430, Torre.

Inscrições através do e-mail swelyn@iq.org.br ou pelo tel (81) 3227-1500

No planeta, as cidades respondem por 75% da energia total consumida; e as 40 maiores metrópoles desperdiçam de 35 a 50% de energia disponível por ineficiência das edificações. aumentar a eficiência energética e reduzir perdas é um enorme desafio para as grandes cidades.

A tecnologia solar é uma das mais simples e baratas fontes de energia renovável, com uma relação custo-benefício favorável para a redução de emissões de gases de efeito estufa.

A palestra discutirá as questões de cárater legal, como códigos de obras pouco amigáveis à tecnologia, os custos iniciais de instalação quando comparados a alternativas convencionais, e a falta de financiamento em condições favoráveis para empresas e consumidores. Serão descritas as experiências internacionais que tem baseado a promoção da energia solar em: subsídios, prêmios e linhas especiais de crédito, medidas de apoio com campanhas públicas, educação ambiental, concessão de incentivos fiscais, e a obrigação legal de instalação ou de preparação de instalação.

Palestrante → Heitor Scalambrini Costa, físico pela Universidade Estadual de Campinas através do Instituto de Física “Gleb Wataghin”, professor e mestre da UFPE do Departamento de Energia Solar,  realizou doutorado na área de Energética na França. Dentre outras atividades, é criador do grupo SENDES- Soluções em Energia e Design, com uma abordagem interdisciplinar de ensino e pesquisa, introduzindo novos conceitos e práticas para a melhoria da eficiência no uso de materiais, processos e de novas fronteiras de energia.

Esta palestra merece ser conferida!


Uma hora vai voltar para você !

junho 27, 2009

→ Considerações: Christine Farias

Este vídeo –  aparentemente bobo –  nos remete a pensar o quanto as nossas atitudes, que muitas vezes consideramos pequenas, podem refletir no meio ambiente, trazendo grandes e perigosas conseqüências ao bem-estar geral.

Mesmo diante das grandes cidades construídas pelos homens (que pensam ser senhores de todo o conhecimento),  mesmo perante suas terras grandiosas, seus mares e continentes, a Terra é vulnerável aos atos que os homens façam… ou deixem de fazer!

Constituimos uma grante teia, e somo dependentes uns dos outros, humanos ou não!


A última árvore de uma rua!

junho 27, 2009

a última árvore 

 

 

 

 

 

 

 

” É uma suruba social. Uns em cima dos outros. Assim vivemos nos edifícios da cidade. É difícil de acreditar, mas parece que gostamos de viver amontoados. Ainda se aqui fosse frio – Recife, clima úmido e quente – poderia argumentar-se. Aumentou o calor. Ele não veio sozinho, mas trouxe o aumento do barulho, do lixo, do trânsito e dos diversos problemas sociais. Mas espere, não há mais espaço para construir prédios aqui, terrenos baldios. Calma, isso não é problema: derrubaremos as casas antigas, as galerias de lojas, os bares falidos, as árvores… Terreno vizinho ao meu. Uma casa antiga, grande, abandonada. Tornou-se apenas areia em menos de uma semana. O que por muito tempo foi objeto de ostentação agora é pó. Mas hoje, doeu ao ver uma árvore – só restava ela – cair por último. Deixaram a pobre plantinha para o final. Ela estava atrapalhando. Aliás, a natureza sempre “atrapalhou” o homem, a evolução, melhorias, avanços. Doeu vê-la cair, ou melhor, ouvi-la, pois estava próximo à janela quando me assustei com um barulho alto. Corri curioso para ver a triste cena. Mais uma construção em andamento. Poluição sonora em cartaz, de segunda a sábado a partir das 07h00min da manhã. Antes eu via o mar, agora vejo uma selva, de pedras. Em pouco tempo estarão construindo prédios na areia do mar. Só resta espaço lá agora. Isso me faz arriscar dizer onde iremos parar com tudo isso: em uma avenida qualquer, num engarrafamento, travado pela infinidade de carros. Ninguém vem, ninguém vai. “Esse bairro é bom de morar, bem valorizado, status”. De fato aqui é bom. Tem uma praia linda; é um bairro independente dos outros; estamos sempre em contato com turistas, o que nos torna mais ligado com resto do mundo ao trocarmos experiências diversas, o que não ocorre em outros bairros; possui o centro de lojas mais bem estruturado da região; os melhores hotéis, aeroporto, enfim. Mas o que é bom afinal? Morar em um lugar super povoado, cada vez mais habitado, mais explorado, com construções sem fim? E sua família, irá crescer bem por aqui com todas essas empreiteiras brigando por cada pedaço de terra livre? Existe coisa melhor que um status, um nome, um bairro. A decisão é pessoal. Os valores são pessoais. Sem pretender entrar nesse mérito – já entrando – sigo com o meu raciocínio inicial. Morar bem, avanços, modernidade, nada disso tem valor algum, se, destruímos o pouco que nos resta da natureza nos dada como presente da criação. Se transformamos a cidade em um caos jogando famílias lá dentro em nome do alto faturamento. Eu ouvi, quase vi, mas ouvi o grito de socorro de uma árvore, que coincidência ou não, estava com a sua raiz sob o luto de uma placa que fazia sombra exatamente ali, no seu coração. Nessa suruba ninguém “goza”.  Leonardo Rocha, morador da Rua dos Navegantes, Boa Viagem.

→ Considerações: Christine Farias

Relato frustrante de um primo meu ao perceber que a última árvore da sua rua estava sendo derrubada porque simplesmente estava “atrapalhando” ! ! !

A preocupação com a natureza, quando não puramente retórica, tem se limitado a ações que dizem respeito à preservação de espaços ou recursos ligados diretamente às populações envolvidas. Contudo, o que a sustentabilidade requer consiste em algo mais amplo.

Trata-se, por exemplo, de usar os recursos naturais renováveis a um ritmo que respeite suas taxas de regeneração: de emitir lixo e poluentes de modo que o ecossistema possa absorvê-los, reciclando-os; de procurar substitutos para os recursos não-renováveis antes da sua extinção; de conservar a biodiversidade como fator crucial para a evolução biológica; de manter, enfim, os serviços de sustentação da vida que o  meio ambiente oferece de graça.